Como lidar com o Luto?

Enfrentar o luto ao perder um familiar ou uma pessoa próxima não é fácil. Essa dor gera angústia e saudade, podendo alterar profundamente a vida das pessoas. 

Estamos vivenciando uma pandemia e, com os altos índices de contaminação, a mortalidade alcançou grandes números por todo o mundo. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 26 de outubro de 2020, já haviam sido registrados aproximadamente 43 milhões de casos e 1,2 milhão de mortes pela COVID-19 no mundo.

Diante disso, podemos imaginar a imensa dor que milhares de pessoas precisam enfrentar. Portanto, lidar com a perda de alguém próximo é algo repentino, mas cada pessoa enfrenta esse momento delicado de uma forma diferente.

O Luto precisa ser vivenciado

A princípio, devemos lembrar que cada pessoa reage de uma forma. Há pessoas que se isolam, que demonstram a dor de forma mais contida. Por outro lado, há pessoas que precisam externalizar a dor, colocar para fora aquela sensação de dor e saudade. 

Mas calma, isso é comum e, na verdade, é necessário para que aquela pessoa possa lidar com a perda do ente querido. A dor da perda pode ser expressada de diversas formas e vivenciar o luto é necessário para superar o choque. 

Sabemos que o sentimento da perda não é algo passageiro, afinal, a partida daquela pessoa marca uma nova etapa da vida onde ela não estará presente. Contudo, o tempo passa e aquela terrível aflição se vai.

A perda de alguém pode gerar mudanças

Para quem fica, há uma mistura de sentimentos e incertezas. Dessa forma, surgiram as conhecidas fases do luto. 

Negação: Frequentemente, essa é a primeira reação ao saber da perda de um ente querido. A pessoa rejeita a possibilidade de ter perdido alguém amado e busca não acreditar que aquilo possa ter acontecido.

Raiva: Esse sentimento surge e, ainda, se une à angústia, à aflição e ao desespero. Nessa etapa, a pessoa pode se apresentar agressiva ou chegar a realizar ações autodestrutivas (como beber de forma exagerada e se colocar em risco).

Barganha ou Negociação: Aqui, surgem diversos pensamentos. As negociações consigo mesma, como “e se eu tivesse feito isso..”, surgem com o propósito de aliviar a dor. Se apegar a uma entidade superior como “forma de reverter a situação” também é bem comum.  

Depressão: Essa pode ser uma das fases mais intensas. A dor e o intenso sofrimento, geram diversas sensações ruins e pode causar danos internos e externos. Por isso, ao viver essa fase ou estar acompanhando uma pessoa enlutada, tenha muita sensibilidade e atenção. 

Assim, quem está sofrendo o luto pode apresentar variações de humor e se apresentar como uma pessoa bem diferente do que era antes. 

O luto é um período complicado, mas a dor será amenizada! 

A morte ainda é um tabu para muitas pessoas. Ao mesmo tempo, sabemos que todos nós estamos caminhando para esse momento. Precisamos nos cuidar, manter por perto quem amamos e compartilhar os bons momentos. 

Como dizem por aí, a vida é um sopro. O tempo passa rápido e apreciar a vida deveria ser o nosso objetivo principal. 

Outra coisa muito importante é contar com uma assistência especializada nesse assunto. Situações inesperadas, como um acidente ou uma fatalidade, são as causas de inúmeras mortes. 

Além da dor da perda, infelizmente, muitas famílias ainda passam por dificuldades financeiras e isso torna tudo mais difícil. O serviço de assistência funerária é uma forma para não ser surpreendido com esse tipo de situação. Por isso, é muito importante contar com um plano de assistência. 

Quer saber mais sobre esse tipo de serviço e garantir amparo e tranquilidade em casos assim? Leia nosso outro post e descubra o que é um plano de assistência funerária!

COMPARTILHE:

Facebook
Twitter
LinkedIn