Guerra e Luto: nunca estamos preparados

A Guerra e o Luto nos proporcionam a mesma sensação: nunca estamos preparados para lidar com eles. Então, como conviver com situações tão difíceis? 

A princípio, as notícias recentes nos mostram a situação de medo e desespero que a Ucrânia está vivendo. A Guerra entre Rússia e Ucrânia já repercute por todo o mundo e, infelizmente, gera inúmeras perdas. 

Portanto, o momento atual é extremamente difícil. Diante da guerra, passa de 1 milhão o número de pessoas que deixaram a Ucrânia e outros milhares ainda estão sem saber o que fazer em meio a este caos. 

Dessa forma, a dor, a sensação de angústia, a insegurança e a perda, se tornam algo que a guerra e o luto compartilham. E sabemos bem que, para essas situações, nunca estamos preparados. 

Luto é o resultado da Guerra

Estar em guerra gera diversas perdas. Ali, encontram- se soldados que estão arriscando sua própria vida e que, por muitas vezes, não voltarão pra casa. Além disso, ocorre muita destruição no local onde ocorre a guerra. Com isso, diversas pessoas inocentes, humildes cidadãos, acabam sendo atingidos e tendo suas vidas ceifadas.

Infelizmente, a guerra extermina vidas, acaba com famílias e elimina sonhos. 

Dessa forma, o resultado de tudo isso são inúmeras perdas. O luto surge e gera guerras internas, pois, entram em confronto a dor da perda e os sentimentos das pessoas que ficaram. Por diversas vezes, é difícil de aceitar, de se conformar. Não é nada fácil perder alguém!

As diversas e insensíveis ações que os poderosos têm escolhido em busca do poder nos faz refletir o quanto a vida é preciosa. Mantenha por perto quem é importante para você e dê importância aos que estão ao seu redor. 

Ofereça amparo e acolhimento a quem precisa. Em uma guerra, não se perde apenas riquezas e poder, mas se perde vidas, pessoas, familiares, amigos, expectativas e futuros brilhantes. E, para isso, nunca estamos preparados.

Não se esqueça de garantir prevenção e segurança para a sua família, caso algo venha a acontecer.

COMPARTILHE:

Facebook
Twitter
LinkedIn